ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

sábado, setembro 11, 2004

 

Vamos jogar a uma coisa (VIII)

Outra fonte inesgotável de espanto: não só as mulheres estão nuas debaixo da roupa, como todas têm aquela coisa miraculosa entre as pernas, e o mais desconcertante é que a têm o tempo todo, mesmo quando não pensam nela. Durante muito tempo perguntei-me como é que faziam, parecia-me que eu no seu lugar não faria outra coisa senão masturbar-me, ou pelo menos pensar nisso. Uma das coisas de que gostei logo em ti foi a impressão de que pensavas nisso mais do que a maior parte. Um dia disse-te que tinhas a cona escrita na testa, tu hesitaste, não sabias como entender, se como uma parolice colossal ou como um cumprimento, e no fim prevaleceu o elogio. Eu concordo. Quando olho a cara de uma mulher, gosto de conseguir imaginá-la enquanto goza. Em algumas é quase impossível, não se entrevê o mínimo abandono, mas tu, basta ver-te em movimento, a sorrir, a falar de uma coisa qualquer, e adivinha-se logo que gostas de gozar, vem imediatamente a vontade de conhecer-te enquanto gozas, e quando se te conhece, bem, não se fica desiludido. Não sendo exactamente o tom deste texto, mas paciência, concedo-me uma nota sentimental: nunca me deu tanto prazer ver alguém gozar como tu, e quando digo ver, obviamente, não se trata apenas de ver. Imagino-te no momento em que lês estas palavras, o teu sorriso, o teu orgulho; o orgulho de uma mulher bem fodida só tem paralelo no do homem que fode uma mulher bem fodida. Podes afundar os pensamentos nas tuas cuecas, agora. Mas espera: não te precipites. Faz como com o elefante cor-de-rosa. Não penses ainda na minha pila, nem na minha língua, nem nos meus dedos, nem nos teus, pensa na tua cona sozinha entre as tuas pernas. O que te vou pedir é uma coisa terrivelmente difícil, mas a ideia é que penses na tua cona como se não estivesses a pensar nela. As pessoas que fazem muita meditação dizem que o objectivo (e a iluminação chega por acréscimo) é observar a própria respiração sem que por fazê-lo a modifique. Estares como se não estivesses lá. Procura imaginar a tua cona, de dentro, como se estivesse simplesmente ali entre as tuas pernas e tu pensasses noutra coisa qualquer, como se estivesses a trabalhar ou a ler um artigo sobre o alargamento da NATO. Tenta permanecer neutral, mas entretanto examina em pormenor cada sensação. A maneira como o tecido das cuecas comprime os pêlos. Os grandes lábios. Os pequenos lábios. O contacto das paredes uma com a outra. Fecha os olhos.
Então? Molhada? Imagino que um bocadinho. Muito molhada? Admito que o exercício era difícil, mas enfim, ainda que muito molhada não está aberta: sentada num comboio, vestida pelas cuecas, e sem lhe enfiares um dedo, não pode estar aberta. Atenção agora, vamos ver se consegues abrir apenas os lábios a partir de dentro, sem ajuda. Não sei. Não creio. Tens uma excelente musculatura vaginal, mas não é a musculatura vaginal que comanda a abertura dos lábios, em compensação o que podes fazer é abrir e fechar, abrir e fechar, com tanta força quanto puderes, como se eu estivesse aí dentro.
Bem sei, excedi-me, fui mais rápido do que previas, mas andar para trás seria desleal. Portanto, tens direito a pensar na minha pila. Mas sem lhe saltares para cima. Sem pressa. Tenho a certeza que pensas logo em metê-la toda dentro enquanto te tocas, mas não, tens de ter paciência, seguir o meu ritmo que em traços gerais consiste sempre em refrear, retardar, parar. Sou desde miúdo um ejaculador precoce, é uma experiência tremenda, de um tipo se suicidar, e dessa experiência tremenda ficou-me a convicção de que o maior prazer consiste no permanecer no limiar do prazer. É mesmo aí que eu gosto de estar, exactamente: no limiar, e de afastar sempre o limiar, como se afiasse uma faca sempre e sempre mais. Parecia-te algo perturbador, de início, mas agora não. Agora gostas que antes de te lamber te acaricie demoradamente o clítoris, respirando apenas, perto, tão perto, brincando com o calor da respiração, ateando a expectativa do primeiro movimento da língua. Gostas que antes de to enfiar todo lá dentro e foder-te, a glande fique bastante tempo à soleira dos grandes lábios, gostas de me dizer nesse momento, olhando-me nos olhos, que gostas da minha pila dentro da tua cona, gostas de o repetir e é o que farás agora. Aí, no comboio. Repete «quero a tua pila dentro da minha cona», a voz pianíssima, é óbvio, mas repete-o na mesma, não apenas mentalmente, forma os sons com os lábios. Pronuncia estas palavras o mais alto que puderes sem que os vizinhos te ouçam. Procura este limite sonoro e aproxima-te o mais possível sem o ultrapassares. Já alguma vez viste alguém recitar o terço? Faz o mesmo. Sobre o mantra de fundo «quero a tua pila dentro da minha cona» todas as variações são bem vindas, e conto com o facto de deixares correr a fantasia. Vai.
Até Poitiers, que se os meus cálculos estão certos já não deve estar longe.
Rui



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?