ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

sábado, setembro 04, 2004

 

Vamos jogar a uma coisa (V)

Quando se faz sexo pelo telefone, existe um momento sempre delicado, gostoso, mas delicado: aquele em que se passa do diálogo normal ao cerne da questão. Diria que, quase invariavelmente, se chega aí pedindo ao outro que descreva a posição em que se encontra («Mmmm, estou deitado na cama...»), depois a roupa que tem vestida («Só uma camisola...?»), e é nesse momento que alguém pede para que um dedo se insinue numa qualquer parte, por entre a roupa e a pele. Aqui eu hesito. É como no xadrez, ou na análise, nos quais, segundo parece, tudo depende da primeira jogada. A mais clássica abertura seria o seio, a abordar de modo diverso conforme esteja ou não envolto no soutien. De costume, usas soutien. Conheço-os quase todos, pois ofereci-te vários; eis uma coisa que me dá prazer: escolher roupa interior sexy. Acho piada à conversa com a empregada, o descrever-lhe a destinatária. O conúbio consentido entre a troca estritamente profissional e o subentendido sensual cria uma cumplicidade subtil que rapidamente leva à pergunta: «Se fosse para si, qual deles escolheria?»
Poderia pedir-te que acariciasses um seio, que aflorasses o mamilo com a ponta dos dedos através do vestido e do soutien, o mais discretamente possível. Ora aí está uma outra coisa de que gosto, de que gostamos os dois, o olharmos juntos as mulheres e imaginarmos os seus mamilos. As conas também, mas vamos com calma, por agora fiquemo-nos nos mamilos. Como expliquei muitas vezes às empregadas das lojas, o teu caso é especial, no sentido em que os teus mamilos parecem feitos ao contrário, com o bico virado para dentro, despontando, como um animal de uma toca quando estás excitada. Imagino que o estejam a fazer neste preciso momento sem que tenhas necessidade de lhes tocar. Não te toques. Interrompe o movimento que porventura tenhas iniciado, deixa a mão suspensa no ar e limita-te a pensar no teu seio. Ou melhor, a visualizá-lo. Já te expliquei, é uma técnica yoga muito eficaz - ainda que em geral aproveitada para outros objectivos – visualizar uma parte do corpo com a máxima precisão e para ela transferires o pensamento e os sentidos. Peso, calor, textura da pele, textura diferente da aréola, fronteira entre a pele e a aréola, estás por inteiro no teu seio. Na melhor das hipóteses, no momento em que lês estas palavras alguém sentado em frente a ti – mas estará alguém sentado à tua frente? – poderá ver os teus mamilos despontarem sob a dupla camada de tecido tão nítidos como sob uma camisola molhada.
Pára de novo. Agora volta a fechar o jornal. Não penses em nada mais para além do teu seio, e em mim que penso no teu seio, durante um quarto de hora. Fecha os olhos, ou não, como quiseres.
Rui



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?