ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

quarta-feira, setembro 22, 2004

 

Música de fundo ou Ó Esteves, vê lá se dizes alguma coisa de jeito



Ainda o Público. Já vos aconteceu estar a ler um livro e reparar, várias páginas depois, que não se lembram de nada, que não estiveram a prestar atenção, que têm possivelmente de voltar atrás? Ou notícias e crónicas de jornal? A mim está-me sempre a acontecer. Um bípede está a ler e ao mesmo tempo põe-se a pensar na vidinha. Aquelas palavras impressas são uma espécie de música de fundo. Estamos a ouvi-la, o nosso inconsciente talvez, sei lá, não interessa, mas não lhe prestamos atenção. Só reparamos nela quando o disco acaba (há sempre a opção repeat, para os mais preguiçosos). Uma vez mais, aconteceu-me isso com o Público. Cheguei ao fim e não me lembrava de nada. Tinha-me perdido a ruminar no que ia fazer para o almoço, no que ainda tinha de fazer antes disso, o eléctrico que tenho de apanhar, na maldita tradução em que me meti, talvez telefonar ao calhas, ver um programa qualquer da manhã, ouvir o fórum da TSF, dar milho aos pombos, ficar à janela a assobiar às gajas que passam, mandar bocas. Nestas alturas sinto-me um Álvaro de Campos muito melhor do que o original. Pensamentos profundíssimos invadem-me a testa, eurekas a dar c’um pau, mais sonhos que Napoleão, mais humanidade no peito que Cristo, mais filosofia na minha capoeira que em todos os livros do Immanuel traduzidos pela Fundação Calouste Gulbenkian.O problema é quando abrimos a boca, quando bocejamos. O bocejo, como sabemos, é um exercício involuntário do direito de crítica. Mas não nos resolve esta dúvida primordial: será que é do livro, do jornal que estamos a ler ou da nossa vidinha tão desgraçadamente desinteressante. Ou serão as duas? Vou ali perguntar ao Esteves da tabacaria e já venho...
João Pedro



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?