ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

quinta-feira, agosto 26, 2004

 

A vida depois dos trinta

Sempre encontrei conforto na frase, já me esqueci de quem ma disse, «que um homem com uma barriguinha até tem charme e piada». Quem quer jogar xadrez nos abdominais de um trintão? Tinha lógica. Concluí depois que o período de validade da frase está entre os vinte e oito e os trinta, precisamente. E porquê? Porque depois dos trinta o delicado equilíbrio entre essa «endearing little tummy» e o oblongo «ter barriga» fica irremediavelmente prejudicado. E quanto mais desporto se tiver feito antes, pior. O desporto não dá saúde a ninguém, em especial depois dos trinta.
Há qualquer coisa com os trinta anos. As pessoas tendem a agir como se fosse a última oportunidade para mudar de vida. Por exemplo, tenho um amigo que diz que os trinta são o limite, ou o limiar, para escolher o que se quer fazer na vida. Aos trinta como aos quinze. Só que, ao contrário do 9º ano em que tínhamos que escolher a área de estudos e escolhíamos ir para onde os amigos iam, aos trinta escolhe-se, enfim, «livremente». Para alguns, como se da primeira vez se tratasse. Aos trinta descobrimos que temos encontro marcado com um futuro, outro e novo, e que já estamos atrasados. Somos, por isso, novos, muito novos aos trinta.
Mas também já somos velhos. O corpo, especialmente. Os trinta são o início do descalabro. Não é nada como na série «Thirtysomething». Essa série não apresenta uma versão realista da questão. Numa versão realista os actores começariam por não se lembrar de deixas e de linhas de diálogo e a malta ria-se logo muito menos. A memória começa a ir-se, aparentemente, no momento de abertura das prendas no dia do trigésimo aniversário. Bom, há depois aqueloutro assunto. Nem vou por aí. O que eu sei é que os trintões deixam de fumar em massa e não é por causa do cancro.
Aos trinta descobre-se que a versão realista da realidade é muitas vezes a versão cínica da realidade, ao contrário dos vinte e cinco em que achava que a versão realista era a versão irónica da realidade. Eu quando fiz trinta anos tinha antecipado uma festa enorme. Para estar à altura de tão épica ocasião, nada menos parecia servir que alugar um cacilheiro para uma festa. Na verdade, fiquei em casa meio acabrunhado; encurralado.
Vamos aos «factos sociais». Já não há ressaca que não dure dois dias. Antes dos trinta, quando se bebia demais dormia-se sempre muito. Agora, dorme-se menos. Antes, nunca me tinha apercebido que a ressaca induzisse estados depressivos. Agora, já percebi que sim. No outro dia deram-me a explicação técnica que envolve as palavras «cérebro», «endorfinas», «seretonina» e a frase «com a idade» seguida de vírgula. E isso é outra coisa: tornamo-nos familiares de todas essas entidades químicas que regulam os humores, o peso e afins. Não são só a maternidade e a paternidade que tornam as pessoas fluentes em farmacologia: é também uma certa idade. Antes não confundíamos William James com William Jameson. Agora pedimos o segundo ao balcão, em acessos de auto-ironia quem ninguém percebe nem acha piada.
Olhando em redor na esplanada, verifico que anda tudo no psicólogo, no psiquiatra, no astrólogo ou no sociólogo a tomar, sozinho ou em combinações, zoloft, xanax, dimicina, prozac ou imodium. Os sociólogos, por deformação profissional e escrúpulo, não fazem nada disto, ou fazem menos. Resistem pela mesma razão que o Matt Damon resiste ao Robin Williams no filme «Good Will Hunting». Resistem, também, da mesma forma que o José Mário Branco resiste. Os sociólogos, ao contrário dos jovens agricultores quarentões, já estão velhos aos trinta e são de esquerda.
Sabe-se mais da vida? Sem dúvida: sabe-se que o Nelson Rodrigues escreveu que «um homem devia nascer com trinta anos feitos». E que, até mais ver, tinha razão. Rui



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?