ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

terça-feira, agosto 03, 2004

 

Super-heróis

Nos últimos dias, não faço ideia porquê, tentam, aqui e ali, usar o tema Lance Armstrong como desbloqueador de conversa comigo. "Então e o Armstrong? Grande homem!" Ou se sou eu a puxar o assunto "tour", mas a propósito do feito de José Azevedo, logo contrapõem: "E o Armstrong?"
Vou-vos explicar...
Não gosto muito do homem, ainda que admita não ter motivos muito racionais para isso. Mas enerva-me o fenómeno mediático que é, ser tão monótono como o Schumacher, fazer implantes capilares, mandar um chuto à mulher que tanto elogiara por ajudá-lo a ultrapassar o cancro, assim que esbarrou na Sheryl Crow.
E, depois, há uma coisa fundamental: no desporto (talvez não só no desporto, mas, para o caso, é o que importa), do que eu gosto é dos heróis. E, no caso do ciclismo, o meu herói era o Induraín - quando ele deixou de correr, deixei de ver ciclismo. Porque é que ele era um herói? Porque nunca me esqueci desta etapa, no tour que seria, creio, o da sua quarta vitória: um desconhecido que se destacara logo do pelotão e fizera 200km sozinho, estava a 50m da meta totalmente estoirado, quase incapaz já de andar, quanto mais de pedalar. Induraín que, a pouco e pouco, se fora aproximando dele com toda a tranquilidade, apanhava-o por fim. Se fosse Armstrong, julgo, tê-lo-ia ultrapassado, talvez com um sorriso, talvez até com uma palmadinha nas costas, e seguido para a glória do vencedor e arrecadado o prémio da etapa. Se fosse Azevedo, talvez também preferisse o seu lugar na História nacional e arrancasse para a conquista, mesmo que depois pedisse desculpa por isso ao rapaz esgotado. Mas Induraín não. Induraín aproximou-se do anónimo, gritou-lhe palavras de incentivo, deitou-lhe a mão ao selim, puxou-o naqueles metros finais e, em cima da linha, empurrou-o para a vitória.
Enquanto não me esquecer desta imagem não quero saber do Armstrong para nada. E não voltarei a ver tours nem giros nem voltas.
Do mesmo modo, quando Prost deixou a fórmula 1, nunca mais vi um grande prémio. E quando o Van Basten se lesionou e o Maradona foi expulso do Mundial de 96, também nunca mais liguei pevide ao futebol internacional. Quando o Carlos Lisboa abandonou o basket nacional, Jabar, Magic e Jordan o norte-americano; Carl Lewis os 100m, Rosa Mota a maratona.
No desporto, tenho, enfim, o romantismo que me escapa nas relações afectivas: só amo, verdadeiramente, da primeira vez.
Alexandre



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?