ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

quarta-feira, agosto 11, 2004

 

Simpatia sem manha

Estávamos a meio do jantar e faltou o tabaco. Eu vou – tu vais – fui eu. Saí do restaurante e atravessei a rua, dirigindo-me a um grupo de dois ou três rapazes à conversa em frente a uma lojinha que vende bugigangas e copos de água. «Onde é que posso comprar cigarros aqui ao pé?» «Na porta ao lado.» A porta ao lado, um outro restaurante, não tinha: só tinham charutos e vinhos tintos italianos. Voltei a ter com o grupo que, entretanto, me havia seguido com o olhar. Sentia-me, e parecia, o mais cámone possível. A trilogia que não engana: shorts, chinelo e after-sun. Um estereótipo ambulatório. Se haveria algum outro sítio ali ao pé onde se pudessem comprar cigarros. Não. Não, àquela hora. Coço a cabeça. «Dá-me o dinheiro que vou lá eu comprar», diz um deles, sentado numa motorizada. Fico embatucado. Pensei: dou-lhe o dinheiro e o tipo nunca mais aqui aparece. Nem sequer era o ser muito dinheiro, era o não ser comido por parvo. Não queria ser mal-educado, mas fui: «E voltas com o tabaco?» Risos dele. «Malditos estereótipos», pensei. Lembrei-me de dizer, já a ficar engelhado com o ridículo: «é que só tenho notas grandes, deixa estar, eu cá me arranjo...» «Salta para a motorizada e vamos lá os dois comprar o tabaco» disse ele, a ler fundo nas minhas reticências. E lá fomos, à conversa. É longe? Não, era ali ao pé. Rui Costa? Conhecia; grande fã. Somos do mesmo bairro em Lisboa, disse orgulhoso. Risos. O campeonato europeu? Grande merda: tinha perdido dinheiro numa aposta da final. «Big money»: cinquenta dólares, mais de um mês de salário como empregado de mesa. Chegámos ao sítio, comprei dois maços e regressámos. Parou em frente ao restaurante. «Obrigado» e apresentações de parte a parte, com um sorriso aberto. Um aperto de mão. Bali.
Rui



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?