ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

quarta-feira, agosto 25, 2004

 

Realidade

Naquele dia, duas, três horas depois de ela ter ido embora, da rua ouvi a melodia familiar do genérico do noticiário dentro de casa. De tão comum, deveria passar despercebido, mas, desta vez, sobressaltava-me, sem que ainda percebesse porquê. Quando veio o silêncio e o pivot se preparava para começar, eu já aquietado, pronto a escutar a novidade bombástica do dia, compreendi que, na verdade, esperava notícias dela, comentários a nós. Onde estava agora, se tudo vinha correndo como planeado na viagem. Que entrassem analistas e directores de jornais para dissecar a situação. Que me explicassem o que deveria sentir, como me comportar, que palavras e acções eram recomendadas para dizer e fazer a partir daquele momento. Que pensavam a esquerda e a direita. Que expectativas teriam os meus apoiantes e os meus detractores. Que, no final do debate e da reportagem sobre os lugares por onde passámos, onde as coisas começaram e acabaram, resultasse uma de duas conclusões: "Este rapaz deveria ir em frente." "Este rapaz deveria ficar onde está."
Nada disso aconteceu. O assunto da actualidade ainda era a especulação sobre o que acontecera no aeroporto das Lajes ou a corrida à liderança do PS ou o balanço provisório dos Jogos Olímpicos.
Naquele dia, nesse dia, percebi por que deixara, praticamente, de ver serviços informativos, anos antes: porque "o mundo" que alegam trazer-me, "o mundo" que mostram e discutem não passa de uma imensa ficção. O mundo, o real, o verdadeiro, sem aspas, o que eu conheço e me importa, é aquele que tocou a minha pele, que me fez corar ou deixou hematomas, que me abraçou ou fez sentir frio.
No fim de contas, o mundo que não foi entreaberto pelo nosso corpo não é muito mais que um romance em volumes ou uma muito longa-metragem. Pelo menos, até prova em contrário.
Alexandre



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?