ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

domingo, agosto 29, 2004

 

O princípio dos adeus*

Como convém a todos os últimos dias, está aquele tempo intermitente, fechado, triste. Porque, assim, é mais fácil partir. A pena, a perda, a saudade, tudo quanto os nossos sentidos retenham, pode ser perdido tranquilamente. Quem se mataria num dia glorioso?
As malas estão feitas. Os livros lidos colocados na estante. O bilhete de avião em cima de secretária, seguro pela chave da casa de lá e por um par de óculos suficientemente escuros para que, amanhã, sinta que me consigo esconder atrás deles.
E ninguém dará por mim.
Assim manda o princípio dos adeus. Que saiamos pela penumbra, num instante qualquer de um dia banal, escondendo emoções.
Nenhuma promessa.
O mundo anda demasiado rápido para que corramos os riscos implicados em olhar para trás durante a sua curva.
Alexandre

* Bem sei que se deveria dizer "dos adeuses", mas, para além de soar horrivelmente (pior, pior, só mesmo as "gravidezes"), dou-me ao luxo de, no meu monoteísmo, conservar a palavra como invariável em género e número. Porque "adeus" significa o que parece: a-Deus. Os hindus, se quiserem, que variem o termo.



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?