ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

sexta-feira, agosto 20, 2004

 

Maradona e Napoleão (agora com um final diferente)

Mantinha-se em pé com dificuldade. Mal se podia ter nas pernas. Ficou um instante parado, indeciso sobre o que iria fazer. Passou as mãos nervosas pelo cabelo, pela testa coberta de suor, e deixou-se finalmente cair no sofá. Chegara no dia anterior, sedado, exausto, com dificuldades respiratórias. Dali, na sala de convívio daquela clínica psiquiátrica de Buenos Aires, El Gran Maradona conseguia ouvir o bramido indistinto dos jornalistas aglomerados nos portões da entrada. Teve um acesso de tosse, como se fosse um furacão. De olhar fixo e a cabeça enterrada nas golas da canadiana, um doente deteve-se mesmo à sua frente, com um cigarro à altura da boca, entalado entre dois dedos sujos de nicotina. Chupou o cigarro até ao filtro. Por entre os lábios arroxeados, com os cantos cobertos de saliva ressecada da nicotina, libertou a última baforada para o ar. Diego olhou em volta. Homens e mulheres andavam de um lado para o outro, de cá para lá, como leões presos numa jaula. Num canto da sala, sentada numa cadeira, embrulhada em si própria, apática, perfeitamente imóvel, uma mulher de cabelos cinzentos, com a palidez de Saturno, vazia de pensamentos e olhos desvidrados. Em pé, um jovem de calças de ganga coçadas e uma t-shirt branca, de braços estendidos, fixava uma mancha de tinta na parede com o olhar de um cavalo a morder. Sempre que se sentia observado, como naquele momento, baixava os olhos, como se tivesse medo de revelar os pensamentos. Confundido em visões vagas e indefinidas, estava convencido que todos os outros suspeitavam dele. Sentado na mesa de madeira do lado direito de Diego, um velhinho com a testa cheia de verrugas, sobrancelhas unidas e farfalhudas, olhos engelhados, barba a escorrer da boca. Parecia ter a mesma idade do planeta Terra. Paralisado com um garfo no ar, comia uma sopa de espinafres, verde como um relvado. Diego deixou-se subitamente levar pelo movimento passivo das imagens do passado, os primeiros pontapés na bola na equipa infantil dos Cebollitas, o cheiro a humidade das regas antes dos jogos, os 111 golos marcados ao serviço dos Argentinos Juniores, o Boca Juniores, o primeiro contrato na Europa, no F. C. Barcelona, a transferência para o Nápoles, um clube que na época anterior estivera quase a descer de divisão, a euforia do primeiro scudetto, aquela canção napolitana típica, ‘o surdato ‘mammurato (o soldado enamorado), que os fãs cantavam durante os desafios. A Nápoles das ruas e vielas barulhentas, dos bordéis e das casa de jogo, das mulheres de má vida, a cidade da massa folhada e do macarrão, dos chouriços e das morcelas, das almôndegas e das chirivias, dos casatielli, dos raffioli. O regresso à Argentina, os campeonatos do mundo, sobretudo aquela vitória sobre a Inglaterra, a mão de Deus vingando toda uma nação. Agora estava ali, gordo como um hipopótamo, com a cabeça maior que uma abóbora, a fazer mais uma cura de desintoxicação, acabado para sempre, entre indivíduos que arrastam os pés e acendem cigarros uns atrás dos outros. Voltou a encarar a realidade que o rodeava. O velho da sopa arrancava agora as côdeas ao pão, envolto no numeroso povo dos sonhos. Outro gritava, dizendo: “enfermeira, borrei-me todo”. Começou a esbracejar e a mandar pontapés no espaço vazio do invisível. Os enfermeiros agitaram-se, seguraram no indivíduo e arrastaram-no como um carneiro para a degola. Na janela, com a testa contra o vidro, uma mulher contemplava a paisagem e a luz oblíqua que o sol espalhava sobre o mar, ao longe. Um homem nos seus quarenta anos dirigiu-se a ela com gestos de quem pede lume. A mulher acendeu-lhe o isqueiro debaixo do nariz, ele juntou avidamente as mãos em concha por cima da chama trémula e aproximou o cigarro. Logo se seguida voltou-se para Maradona. Alguém finalmente o tinha reconhecido, pensou Diego. Estendeu a mão e apresentou-se: “Como está, o meu nome é Diego Armando Maradona”. "Muito prazer, eu sou o Napoleão".
João Pedro



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?