ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

quarta-feira, agosto 18, 2004

 

Manuel Alegre, caçador de citações

Ainda a propósito da entrevista de José Sócrates. A trapalhice, o exibicionismo parolo, as citações a granel. Tudo isso é verdade, já foi dito. Mas, pensando bem, e comparando com os outros candidatos à liderança do PS, é injusto. Veja-se o caso de Manuel Alegre no seu último romance, Rafael. Só autores citados são 84, muitos deles, ainda por cima, mais do que uma, duas, três, quatro vezes (em Rilke, por exemplo, o leitor tropeça 8 vezes). Manuel Alegre cita mais depressa do que a própria sombra. Sócrates, bem vistas as coisas, limitou-se a citar 9 nomes: Miguel Torga, Sartre, Erich Maria Remarque, Fellini, Voltaire, Eduard Bernstein, Pessoa, Karl Popper e Vinicius de Moraes. Em Alegre há um verdadeiro fogo cerrado de referências a escritores, filósofos, pintores, músicos, cineastas e cantores. Frases entre parêntesis, poemas em itálico, sentenças em francês, versos em italiano. Uma barafunda onde se misturam André Breton, Marx, Semprum, Camilo, Rimbaud, Joyce, René Char, Sartre, Eça, Mandelstam, Sá de Miranda, Lorca, Jean Moulin, Camões, Camus, Juliette Gréco, Godard, Pero Vaz de Caminha, “o mestre Dante”, Henri Michaux, Silva Gaio, Churchill, Aquilino, Conrad, Oliveira Martins, Bernardim, Freud, Gil Vicente, Sarmento Pimentel, Picasso, Guido Cavalcanti, Leo Ferré, Aragon, Lacan, Eugénio de Andrade, Omar Kayham, Plekhanov, Feuerbach, Vieira da Silva, Malraux, El Greco, Mozart, Erasmo. Tudo serve de pretexto para Alegre convocar referências cultíssimas. E as variantes na forma como introduz as citações são inesgotáveis: “aquilo a que Hölderlin chamaria”; “Nietzsche tinha razão”; “assim cantava o poeta Fernando Assis Pacheco”; “o chinês de Fernão Mendes Pinto tinha razão”; “o país quietinho de que falava Teixeira de Pascoaes”; “seguir a lição de Sthendal”; “alguns de vocês deviam ler Trotski”; “recitando Herberto Helder”, “você não leu Thomas More?”. Há citações que são autênticos achados, como “o orgasmo é a base da saúde mental” (Willelm Reich). Exemplos tão originais como “a burocracia francesa parece saída das páginas de Kafka” ou “a música de Bach é uma equação matemática”. E, sabe-se lá porquê, uma referência inesperada ao “caralho de Guerra Junqueiro”. Como diria Manuel Maria Carrilho, apoiante da candidatura de Manuel Alegre: “Até o próprio Sócrates terá, se calhar, descoberto que o Oxford Dictionary of Quotations não substitui... Oxford, ou seja, que citar muitos autores não traduz sabedoria, antes revela, muitas vezes, o seu contrário”.
João Pedro



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?