ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

segunda-feira, agosto 02, 2004

 

As coisas que continuam, depois de nós

O ano passado, naquela época em que ainda desejava, escrevi sobre a epifania de verdade sentida no momento de chegar a casa e no lugar que esse acontecimento deve ter na vida de um homem, mas não resisto a tornar a fazê-lo agora, nestes tempos de cadeiras de praia e vagas brisas marítimas.
O fascínio de regressar aos Açores prende-se, julgo, com o ser imperfeito, pleno de contradições, de amor e desamor, certeza de ser este o nosso lugar e saber que já cá não se poderia viver, parecer a infinitésima vez que se volta e surpreender-se sempre com dezenas de pequenas descobertas mais.
Chegado ontem e ainda a ter equilibrar os sonos, já tive tempo para algo do essencial destas ilhas: o sol quando aterrei, um dilúvio nocturno, um domingo intermitente e uma noite, esta, de lua branca. Pela estrada, cruzar-me com uma procissão, uma tourada, um carro que empata o trânsito para ficar a conversar com um compincha que passa a pé, adolescentes sentados num muro a contar as suas façanhas briguentas, espalhafatosos emigrantes de regresso sazonal passeando-se pela freguesia, festas na cidade da Praia, tascas e desfiles, encontrar quem menos se espera, como sempre, ao virar da esquina. E a paz imensa dos finais de tarde, o cheiro a verde, tão mais forte que o do mar. Uma almoçarada de marisco, uma janta carnívora. Aperceber-me de como cresceram as meninas do meu tempo do fim de liceu. Esbarrar em mais antigos colegas de bébés ao colo, ex-namoradas que engordaram e outras que ficaram ainda mais bonitas. As pronúncias, os andores, os tapetes florais, os donos de casa arranjando os jardins, os carros coloridos, os que me reconhecem e eu não me lembro, aqueles de quem me lembro que não me reconhecem.
De onde quereria eu ser mais? Por muito cosmopolita que me ache, por quantos cinemas e teatros frequente, por sonhar os destinos que sonhe.
Afinal, há tanta mais verdade neste lugar, nesta gente, em tudo isto, do que nos meus erros, nas minhas tentativas de coerência, nos meus projectos, na minha filosofia...
E que bom é perceber isso. Que sou minúsculo.
Alexandre



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?