ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

sábado, julho 10, 2004

 

Ruy Belo na esplanada

Ruy Belo (ou Ruy Beli, numa das traduções livres do Filipe para italiano) é um poeta muito do agrado de alguns esplanadores deste blog. Eu, por mim, não consigo recordar o livro de "Introdução ao Estudo do Direito" sem vislumbrar lá dentro o primeiro volume da obra poética de Ruy Belo (edição da Presença). Ontem, antes de dormir, folheei “Na Senda da Poesia” e fiquei deliciado com algumas sequências das entrevistas ao autor de "Boca Bilingue".
Por exemplo:

"(...) - Acha que a poesia não pode, ou melhor, não deve ser ambígua, difícil, mas sim clara, fácil?
- A poesia é por natureza difícil. Como o futebol. Desculpe a alusão. Mas não é descabida. Porque é que eu leio muitos jornais desportivos? Porque os nossos maiores jornalistas são Alfredo Farinha, Carlos Pinhão, Aurélio Márcio. (...)

(...) - O que representa para si a poesia?
- Lanço uma nova definição (sempre gostei de definições, anos de Direito Canónico ou Direito tout court): a poesia é a preguiça da prosa. Há dias, na praia, o Afonso de Barros disse-me que o que eu era, era preguiçoso. É verdade. Barbitúricos nem sequer são desculpa”. (...)"

É sabido: não há verbo mais preguiçoso do que esplanar. Não o dissemos no início - na verdade, temos mais um Rui para a conversa. Continua ali a um canto, escrevendo ou cumprindo esse transcendente vício de folhear as páginas do jornal “A Bola”. Ouço o seu pedido ao rapaz que passa: “Era um Vat 69, se faz favor”. Nuno



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?