ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

quinta-feira, julho 08, 2004

 

Esplanar

Amigo puxa amigo, há uns meses largos, juntámo-nos todos e decidimos alugar uma sala de escritório. Tivemos sorte, pois ficámos bem no centro de Lisboa. A nossa ideia era trabalhar fora de casa, evitando a sensação de acordar e estar de imediato, ainda de pijama vestido e barba por fazer, no escritório. Assim, podíamos sair de manhã (risos abafados) e ir para o escritório como as pessoas normais. O preço, a dividir por todos, era irrisório. A sanidade a troco de uns trocos, uma verdadeira pechincha. Um escritório tem inúmeras vantagens: fazer jantares de Natal, esfregar cotovelos no elevador (era estreito), lanchar, tomar demasiados cafés, ter mais uma chave para além da de casa e do carro. Poupa-se no prozac e no passe. Ora, ora: será escusado dizer que a conversa tomou conta do escritório. O trabalho ressentiu-se (repetidos esgares). De tal maneira que, quando era de facto preciso trabalhar, houve quem optasse sabiamente por ficar em casa. Também houve quem nunca chegasse a ter chave. Alexandre Herculano, 17: três ou quatro cafés, uma livraria de nome bucólico em alemão, um restaurante africano e outro brasileiro, uma charcutaria, um notário e parquímetros avariados. É bem sabido que, para estar na palheta, nada melhor que uma esplanada ao pé de um notário. O escritório, entretanto, já não existe. É que tínhamos mesmo de trabalhar. Por isso, viemos esplanar para outro lado. Por entre meias de leite, jesuítas, um ou outro Wittgenstein, imperiais e tremoços: a vida vista da esplanada.

- Então jovens, o que é que vai ser hoje?
Rui Branco: Era um chá verde e um pão da casa misto com pouca manteiga.
- Era ou é?
João Pedro George: Eu queria um palmier simples e um cafezinho.
Nuno Costa Santos: Meia torrada e um daqueles sumos vital a, b, c não sei quê.
Filipe Nunes: Para mim, uma coca-cola e um pãozinho da casa...Com queijo!!
Alexandre Borges: Olhe, por favor! Era uma imperial… Desculpem o atraso…



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?