ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

quarta-feira, dezembro 21, 2005

 

Vacuidade

O caso de Mário Soares não espanta tanto. Mário Soares possui a cabeça de um governador civil do Sr. Dr. Afonso Costa e não custa imaginá-lo, em 1912, declarando na farmácia da Lourinhã as suas convicções de republicano, laico e socialista. Depois de Jaurès não aprendeu nada, nem esqueceu nada. Há quase um século que não lhe entra uma ideia na cabeça, como coisa distinta das trivialidades piedosas para uso oratório, que ele adapta à variável inclinação dos tempos.

Soares está velho de mais para mudar e, de resto, até quando era novo, nunca se distinguiu pela subtileza.

Vasco Pulido Valente, Esta Ditosa Pátria, Lisboa, Relógio d'Água, 1997, p. 164.

terça-feira, dezembro 20, 2005

 

Elogio da Maledicência

Os portugueses não gostam que se «diga mal» de nada e desconfiam de quem diz. «Dizer mal» de um livro, de uma escola, de um hotel ou de uma política é sempre considerado um «ataque» de pessoa a pessoa e atribuído aos piores motivos: à inveja, à cobiça, ao ressentimento e por aí fora. Não ocorre a ninguém que «dizer mal» do livro não implica «dizer mal» da pessoa privada do escritor (...).

(...) «dizer mal» é uma condição indispensável para produzir bem e obrigatória para produzir melhor. No hábito de «dizer mal» do que nós fazemos e do que os outros fazem reside a essência da capacidade de aperfeiçoamento e, por conseguinte, de competição. E o Dr. Cavaco quer um país que «não diga mal» e que ao mesmo tempo seja capaz de competir. No fundo, o Dr. Cavaco não sabe o que quer.


Vasco Pulido Valente, "Elogio da Maledicência", Esta Ditosa Pátria, Lisboa, Relógio d'Água, 1997, pp. 82-85.

sexta-feira, dezembro 16, 2005

 

Mulheres Inteligentes

Esquecer uma mulher inteligente custa um número incalculável de mulheres estúpidas (António Lobo Antunes)

terça-feira, dezembro 13, 2005

 

Prazeres Minúsculos

Anda por aí um blogue novo, de seu nome Prazeres Minúsculos . Um dos autores é o João Villalobos, em tempos meu chefe no Independente. Fora com os chefes!

 

Ana Sá Lopes, uma desagradável surpresa

Eu, leitor atento de Ana Sá Lopes . Eu, que num certo fim de tarde, à porta da Hemeroteca, fui ao ponto de lhe manifestar a minha admiração. Eu, que há muito me habituei à desilusão, estou varado! Sábado passado, no Mil-Folhas, Ana Sá Lopes assinou um atestado de menoridade intelectual. Valha a verdade: é uma obra-prima do género. Sobre isto, recomendo vivamente a leitura do Casmurro, em particular o texto assinado pelo Professor Abel Barros Baptista . Até dá gosto!

 

Vira-Casaquismo



Sobre as tomadas de posição de Manuel Alegre antes da candidatura às Presidenciais reproduzidas no Da Literatura , talvez valesse a pena, caro Eduardo Pitta , consultar os arquivos do País Relativo , em particular certas tomadas de posição nas últimas eleições para Secretário-Geral do PS. No fundo, Francisco Louçã é que tem razão: fica tudo em família, Alegre, Soares, etc.

quinta-feira, dezembro 08, 2005

 

John Lennon



«Watching The Wheels»

People say I'm crazy doing what I'm doing
Well they give me all kinds of warnings to save me from ruin
When I say that I'm o.k. well they look at me kind of strange
Surely you're not happy now you no longer play the game

People say I'm lazy dreaming my life away
Well they give me all kinds of advice designed to enlighten me
When I tell them that I'm doing fine watching shadows on the wall
Don't you miss the big time boy you're no longer on the ball

I'm just sitting here watching the wheels go round and round
I really love to watch them roll
No longer riding on the merry-go-round
I just had to let it go

Ah, people asking questions lost in confusion
Well I tell them there's no problem, only solutions
Well they shake their heads and they look at me as if I've lost my mind
I tell them there's no hurry
I'm just sitting here doing time

I'm just sitting here watching the wheels go round and round
I really love to watch them roll
No longer riding on the merry-go-round
I just had to let it go
I just had to let it go
I just had to let it go

segunda-feira, dezembro 05, 2005

 

A Love Song For Bobby Long




“Não interromperemos as explorações. E no final das nossas buscas chegaremos ao sítio onde começámos e olhá-lo-emos como se fosse a primeira vez” (T. S. Eliot)

“Fosse a minha história um epitáfio e já teria escrito um curto para mim. Escreveria na minha lápide que tive um arrufo amoroso com o mundo” (Robert Frost)

(Tradução de Sara David Lopes)



--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?