ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

segunda-feira, setembro 12, 2005

 

Agradecimentos

O Portugal dos Pequeninos é um blog à maneira.
O Eduardo Pitta tem sido de uma simpatia irrefutável.

Obrigado a ambos.

P.S. Ó Tulius já conversamos.

 

Autárquicas: comentários avulso

Há três candidatos fortes à Câmara Municipal de Lisboa: Maria José Nogueira Pinto, Ruben de Carvalho e José Sá Fernandes. Qualquer deles seria bom presidente da Câmara. Lamentavelmente, nenhum ocupará o trono municipal. Maria José Nogueira Pinto tem sido uma surpresa, discurso articulado, trabalho de casa feito, conhecimento dos problemas da cidade e propostas concretas para os resolver. Ruben de Carvalho é o melhor a emprestar convicção às suas palavras, além de conhecer em detalhe os trâmites da vida autárquica. José Sá Fernandes é, já o disse, o meu candidato. Mesmo que na passada sexta-feira tenha perdido o debate com Nogueira Pinto (por momentos hesitou, balbuciou, foi vago). Talvez porque ainda não saiba manejar a retórica política (não me parece defeito grave), é por vezes ingénuo, não domina a oratória (o que, isso sim, é estranho, sendo ele advogado), revela problemas de dicção (certas afirmações nos debates da TV não as consegui, pura e simplesmente, perceber), o que se tem reflectido numa perda do fôlego e do carisma iniciais. A melhor entrevista que dele vi foi há vários meses na RTP2, no programa «Diga Lá Excelência»: percepção minuciosa de como enfrentar corajosamente as encrencas da cidade, em particular ao nível da circulação automóvel, dos problemas ambientais e da reabilitação urbana. Aí, sim, começou verdadeiramente a conquistar o meu voto. Nos debates da SIC-Notícias, Sá Fernandes mostrou-se desigual e irregular, debates, diga-se, que têm beneficiado do trabalho de um moderador exemplar, do melhor que tenho visto nos últimos anos: João Adelino Faria não pactua com demagogias, não permite propaganda, não deixa que os candidatos fujam às questões, além de fazer perguntas directas e inteligentes. Mas seria justo exigir de Sá Fernandes, político não profissional, recém-chegado a estas lides, uma prestação inequivocamente ganhadora? Sá Fernandes é, para mim, o candidato mais próximo da sociedade civil (foi o Bloco de Esquerda que a ele se quis juntar, não foi ele que se ligou ao partido, e isso faz toda a diferença). Em Sá Fernandes pressinto uma vontade sincera de mudar as coisas. Posso enganar-me, vir a arrepender-me, mas acredito que Sá Fernandes pode ser uma espécie de cavalo de Tróia na Câmara Municipal de Lisboa.

terça-feira, setembro 06, 2005

 

José Sá Fernandes: o meu voto é teu

O debate entre José Sá Fernandes e o sinistro Manuel Maria Carrilho, ocorrido ontem na SIC Notícias, veio reforçar a minha intenção de voto no candidato apoiado pelo Bloco de Esquerda. Não será a primeira vez que voto no BE e desconfio que não será a última. Sim, regresso diferente ao Esplanar, regresso cada vez mais de esquerda, não a esquerda servil e lambe botas representada pelo PS, mas a esquerda radical, a única capaz de arejar as consciências. Manuel Maria Carrilho foi vergonhoso. Grotesco! Manuel Maria Carrilho é um demagogo enfeitado com as plumagem da cultura. Pior: é um bastardo da filosofia. A forma como se mexia na cadeira, como tremia pudibundo dos lábios, o tique do levantar dos ombros, a papeira vislumbrada, o feroz desejo de poder, tudo em Carrilho me é repelente. Carrilho revelou desconhecer os problemas da cidade de Lisboa, quando não sabia responder fazia propaganda, recorria à quinquilharia verbal, falava de generalidades como “as crianças”, “os velhos”, o "desporto", "as escolas", etc., sem nunca apresentar nada de concreto. Quando Sá Fernandes perguntou a Carrilho, depois deste afirmar que iria aumentar as faixas BUS, se ele, Carrilho, sabia quantos quilómetros essas faixas têm actualmente em Lisboa, Carrilho respondeu, pálido de embaraço: “Eu não vim aqui para responder às suas perguntas”. Por isto, e por tudo o que passou ontem no debate, digo: Manuel Maria Carrilho está a mais no espaço público português. Fora com ele!

E José Sá Fernandes para Presidente da Câmara de Lisboa.


João Pedro George

 

O Regresso



A qualquer momento, textos sobre Equador, de Miguel Sousa Tavares, e a obra de Margarida Rebelo Pinto.



--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?