ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

sexta-feira, abril 01, 2005

 

Arquitecturas do pequeno mal

Talvez por inspiração da literatura gótica ou do cinema de terror, habituámo-nos a esperar que o mal se apresente de modo monstruoso. Que se configure na forma de um gigante hediondo, com múltiplos braços e intermináveis pernas, de corpo disforme e rosto repugnante. Habituámo-nos a esperar que ele se anuncie e denuncie numa gargalhada maquiavélica, acompanhada, em fundo, da típica banda sonora do perigo.
Por outro lado, temos o imaginário cristão. Através dele aprendemos que a hipóstase do mal, o Diabo, Lucifer, o anjo caído que antes era o preferido de Deus, é lindíssima, quase tão bela quanto o Criador, pouco distante da perfeição divina.
Mas a realidade não é assim. Nem de uma forma nem de outra. Se pensarmos bem sobre a História, os maus não são extraordinariamente feios nem belos. Aliás, eles só são maus porque não sabemos onde estão, porque se confundem com os outros, com a normalidade, o bem, o inofensivo. Na hipocrisia da sua trama, conquistam espaço, em silêncio, para o seu poder. Rastejando, insinuando-se, lentamente, dia após dia, com paciência e método, como as serpentes. Quando se erguem e, enfim, revelam o seu rosto demoníaco, é já demasiado tarde: estão enroscados ao nosso tronco, amarrando as nossas mãos, preparados para nos lançar o seu veneno.
O mundo acontece assim. O futuro próximo poderá revelar novas configurações do mal que comprovem esta tese. E mesmo entre nós, do lado de cá dos baixos muros lusos, estes seres rastejantes fazem o seu caminho. Não são belos nem feios, não parecem oferecer grande perigo, quase se tem pena deles. Lá dentro, no entanto, no arquitectar dos seus pensamentos, o desejo que os corrompe é o mesmo de que falavam, figurativamente, as Escrituras: a ganância.
Já Baudelaire o dizia, de modo magistral: “A maior artimanha do Diabo é a de nos persuadir de que não existe.”
Alexandre



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?